O PÉSSIMO SERVIÇO OFERECIDO PELOS CORREIOS

07 fev 2022

Foi-se o tempo em que o serviço oferecido pelos Correios à população, era objeto de orgulho e enaltecia o nome da estatal pelos quatro cantos do país. Hoje, aparelhado politicamente e vítima de constantes escândalos, a estatal agoniza e clama pela privatização. Não interessa o valor que se paga pelos serviços, pois o conivente Ministério das Comunicações edita as portarias que constantemente aumentam as tarifas, e na proporção inversa a qualidade do serviço despenca. Segue abaixo a comprovação do descaso e do mau serviço prestado. Você paga a tarifa (digo mais uma vez, não interessa o quanto), e a correspondência vai passear até o destino, e é devolvida pelos incompetentes servidores sobre a alegação de “não procurado”. Ora vc coloca uma correspondência no correio para ser entregue ao destinatário ou para que o destinatário vá procurar a correspondência na agencia? O pior de tudo é que o próprio Ministério das Comunicações, ao qual a estatal está subordinada, tem sofrido constantes derrotas ao se basear no péssimo serviço dos correios, ao acreditar que seus permissionários mudaram de endereço sem avisar, quando na realidade a correspondência sequer saiu da agencia para tentar ser entregue aos destinatários. Recentemente o Ministério das Comunicações se baseou na devolução de uma correspondência destinada a uma permissionária da cidade de Guanambi no estado da Bahia, cujo carteiro alegou “numero inexistente”, e publicou uma portaria de indeferimento da renovação da entidade. Munido de fotos da rua com ênfase no numero na porta da entidade, declaração da Prefeitura e demais órgãos, o Ministério voltou atrás e teve que rever sua posição, posto que baseada em declaração falsa, pois o numero existe e a entidade está lá ha muitos anos. Resta a nós brasileiros lamentarmos e torcer pela privatização para que a exemplo da telefonia, possamos nos orgulhar do serviço que possa vir a ser prestado no futuro, porque atualmente, só nos resta lamentar.

1
escrito por

Ivan

Comentários

Leia também